julho 06, 2010

 
FRACASSO TOTAL

OK, isso foi um fracasso tão grande que só serve para exemplificar por que este blog precisa deixar de existir. Não tem jeito mesmo. Eu estipulei até uma data para fazer isso - que seria hoje, aniversário de 7 anos do Repolhópolis - mas não consegui escrever um post sequer durante o período oficial de despedida. Uma lástima. A verdade é que eu tinha me esquecido de como o meu tempo fica ainda mais apertado em época de Copa do Mundo.

Diante disso, decidi não encerrar o blog... ainda. Não hoje, pelo menos. Ele deve acabar até o final do mês, espero. Mas não vou marcar uma data. Ainda tenho algumas coisas a escrever aqui - e outras tantas a resolver (por estranho que pareça). Acredito que com o fim da Copa vai sobrar algum tempinho, e finalmente poderei dar um desfecho mais ou menos - quase nada - digno a isso aqui. (Embora, como sempre, talvez seja melhor não contar muito com isso).

besuntado por Vitor Dornelles 00:23



maio 31, 2010

 
CONTAGEM REGRESSIVA

No dia 7 de julho de 2010 este blog completa 7 anos. E, nesta mesma data, encerra suas atividades. Desisti de me convencer de que um dia conseguirei mantê-lo atualizado com uma constância razoável. Prefiro, portanto, tentar dar um final digno ao Repolhópolis. Daí o aviso com tanta antecedência.

Do dia 7 de junho até o aniversário do blog, pretendo atualizá-lo todos os dias. Claro que provavelmente não terei êxito. Mas se rolarem uns 15 posts já fico feliz. Até lá.

besuntado por Vitor Dornelles 23:18



abril 30, 2010

 
BACK TO THE FUTURE

Às vezes é possível viajar no tempo.

besuntado por Vitor Dornelles 23:17



março 31, 2010

 
UM POUCO ADIANTADO

De hoje em diante teremos posts novos todos os dias.

besuntado por Vitor Dornelles 23:01



fevereiro 28, 2010

 
UKULELE NUNCA É DEMAIS


besuntado por Vitor Dornelles 22:48



janeiro 31, 2010

 
ADEUS, HALOSCAN! OLÁ, EARL GREYHOUND!

O Haloscan deixou de existir e entrou um serviço pago no lugar, ao qual obviamente não aderi. Por isso os comentários sumiram para sempre (mas antes eles me deixaram salvar tudo em arquivos completamente desorganizados). Tentei habilitar os comentários do Blogger mas não deu certo. Ficamos assim por enquanto. Sorte que atualmente não há nada digno de comentários mesmo, então estamos quites.

****

Aproveitem e assistam a um vídeo do Earl Greyhound tocando "Shotgun", música que estará no próximo disco deles ("Suspicious Package", a ser lançado algum dia desse ano dia 13 de abril) e que eu nunca tinha ouvido até cinco minutos atrás, além de vídeos de outras músicas deles igualmente interessantes (procurem pela aba com o nome da banda, é fácil).

besuntado por Vitor Dornelles 23:05



dezembro 30, 2009

 
VIRADA

Eu joguei na mega sena da virada, como está sendo chamado esse acumuladão de fim de ano que promete pagar mais de 100 milhões pra quem acertar. Nenhuma grande novidade, praticamente todo mundo que eu conheço fez ou vai fazer a mesma coisa. Mas daí eu comecei a pensar em como é praticamente impossível ganhar. Se você acompanha este blog há algum tempo, deve saber que esse é um tema recorrente por aqui.

No início do ano passado eu comecei um experimento. Decidi passar a apostar em todos jogos da mega sena, só pra ver se fazia alguma diferença. Minha tática: duas vezes por semana, jogar a mesma seqüência de números e também uma pensada no momento da aposta. Por incrível que pareça, fez mesmo diferença. Depois de uns 6 meses, acertei a quadra. O prêmio não foi grande coisa, mas serviu para pelo menos recuperar o investimento. Desde então, não ganhei mais nada.

Embora eu tenha acertado a quadra, não foi exatamente fácil, e nada indica que vai acontecer de novo tão cedo. A probabilidade de acertar a quadra jogando 6 números é de 1 para 2.332. Eu demorei 6 meses apostando em todos os jogos, mas poderia ter demorado mais (período de tempo que compreende de 7 meses a nunca). Só para vocês terem uma idéia, a aposta máxima da mega sena, com 15 números, que custa a pequena fortuna R$ 10.010, tem uma chance de 1 para 10.003 - ou seja, embora muito mais fácil do que acertar jogando 6 números, cuja chance é de 1 em 50 milhões, ainda é 5 vezes mais difícil do que acertar a quadra fazendo a aposta simples. Por isso, mesmo nos melhores bolões é difícil acertar, embora fique bem menos impossível.

Só para demonstrar ainda mais a dificuldade, decidi fazer um outro experimento com a minha esposa. Pedi que ela escolhesse 30 números de 1 a 60 - o dobro da aposta máxima na mega sena - para ver quanto tempo demoraria até ela "ganhar". Passados 6 concursos, até agora ela só acertou 2 quadras. No último concurso, aliás, ela acertou menos números do que eu, que joguei os 6 básicos. É ou não é animador?

Um bom 2010 para todos.

besuntado por Vitor Dornelles 16:39



novembro 30, 2009

 
DICA PARA O SEU NATAL (E PARA A VIDA)



Esse disco do They Might Be Giants devia ser considerado patrimônio da humanidade. Sério. (E eu me sinto meio estúpido por escrever um post tão curto que poderia ser tweet).

besuntado por Vitor Dornelles 23:15



outubro 31, 2009

 
QUE MANÉ CULTURA NACIONAL



Singela homenagem ao dia de hoje.

besuntado por Vitor Dornelles 21:55



setembro 30, 2009

 
ALGUÉM?

Acho que nem eu leio mais isso aqui. Talvez seja uma boa hora de publicar textos enormes e confessionais. Hum.

besuntado por Vitor Dornelles 18:26



agosto 19, 2009

 
RÁDIO REPOLHO #31

Ops. Esqueci de avisar da 31ª edição do Cabbage Radio. Está no ar há um século. Cheio de coisas contemporâneas e tal. Ouçam!

besuntado por Vitor Dornelles 12:56



agosto 04, 2009

 
NATÃO



Pois bem, finalmente posso revelar a novidade que eu tinha anunciado alguns posts abaixo. Eu e meu amigo Gabriel Mattos lançamos uma tirinha. Chama-se Natão e é atualizada, sem falta, segundas, quartas e sextas-feiras. O diferencial, se é que posso chamar assim, é que não fazemos a tirinha em conjunto. Nosso método de trabalho é quase como um jogo. Eu faço uma, o Gabriel rebate com outra, eu respondo com mais uma e assim sucessivamente, numa espécie de frescobol artístico. Mas também pode se tornar, para usar outra metáfora deprimente, um cabo-de-guerra, com um tentando derrubar o outro. É comum que desses momentos de discórdia surjam alguns dos melhores momentos de Natão.

No mais, tentem não estranhar muito. É bizarro assim mesmo. E garanto que a tendência é piorar. Abaixo, nossos 4 endereços:

http://natao.thecomicseries.com/
http://natao.the-comic.org/
http://natao.thecomicseries.org/
http://natao.thecomicstrip.org/

besuntado por Vitor Dornelles 01:29



julho 23, 2009

 
RÁDIO REPOLHO #30 (ESPECIAL SCOTT PILGRIM)



Saindo um pouco do lugar-comum de homenagear bandas específicas, resolvi dedicar esta edição a uma série de gibis: Scott Pilgrim (é sensacional, dêem um jeito de arrumar). A maior parte das músicas eu tirei das sugestões que o próprio autor, Brian Lee O'Malley, obviamente um nerd de música, botou ao final dos volumes 3 e 5 da saga. As exceções são Thrush Hermit (que é apenas mencionada como sendo a banda original de Joel Plaskett, que também tem uma música no podcast), Stephen Stills (que é o nome de um dos amigos do Scott) e Tragically Hip (que é apenas citada indiratamente na trama). Optei por não colocar Spoon e Smashing Pumpkins (o volume 3 é coalhado de referências a esta última) porque ambas já tiveram edições especiais no Cabbage Radio. E fiquei supreso por ter conseguido maneirar nas bandas canadenses (o gibi é uma espécie de declaração de amor a Toronto). Para ouvir, é só clicar aqui.

besuntado por Vitor Dornelles 17:38



julho 14, 2009

 
GRANDE NOVIDADE

O blog fez 6 anos no dia 7 de julho e é claro que eu me esqueci. Agora, uma curiosidade aleatória: o próximo post será o 666. Devo me preparar para o apocalipse ou algo do gênero?

besuntado por Vitor Dornelles 22:48



junho 30, 2009

 
QUESTÃO DE HONRA

Ok, eu confesso: só estou aqui porque percebi (na verdade, perceberam por mim) que junho estava acabando e eu não tinha postado absolutamente NADA no blog. E eu tenho uma regra silenciosa que me impede de deixar isso acontecer. Por mais que este seja um post absolutamente inútil no qual eu não escrevo nada de relevante, pelo menos mantenho algum vestígio da minha honra.

Sim, eu gostaria muito de voltar a escrever aqui com mais regularidade, mas pelo menos dois fatores têm me impedido: Twitter, claro, e os rumos da minha vida, que um dia, talvez, eu discuta aqui um pouco mais a fundo (mas só porque no Twitter a limitação de caracteres ia me fazer poluir a linha do tempo de todo mundo). De todo modo, é provável que eu tenha novidades em breve e pretendo anunciá-las aqui (embora o simples fato de eu dizer isso seja geralmente o primeiro passo para nada acontecer). É algo que venho adiando há muito tempo e vai ser bem legal se rolar. Aliás, SE, não. Vai rolar. Tem que.

Mas isso já é outra história.

besuntado por Vitor Dornelles 12:32



maio 30, 2009

 
RÁDIO REPOLHO #29

Você sabe que o blog está completamente desmoralizado quando eu anuncio uma nova edição do Cabbage Radio no Twitter e me esqueço completamente de avisar aqui. Pra vocês terem uma idéia, já faz umas 3 semanas que a edição está no ar. Bem, antes tarde do que nunca. E pelo menos aqui eu posso explicar melhor (embora isso não seja necessariamente uma boa coisa).

Nesta edição, muita nostalgia recente. Para ser mais específico, um monte de coisas que eu ouvia quando estava no finalzinho da faculdade. Começa com The (International) Noise Conspiracy, uma das bandas mais deliciosamente adolescentes que existem, emenda em Oasis tocando "Supersonic" ao vivo no 120 Minutes da MTV (no que é, na minha opinião, a melhor versão da música) e segue com Stereolab (que praticamente grita "ano 2000!" na minha cara), Doves (com uma música do magistral "Lost Souls"), Ben & Jason (pois é, eu sou indie), Clearlake (como eu dizia...), Madrugada (banda muito boa da Noruega), I Am Kloot (por onde andam, falando nisso?), Butter 08 (outra coisa indie pra caralho) e Things In Herds (banda-símbolo do tempo em que eu baixava música no MP3.com - sim, eu sou velho assim). Ouçam!

besuntado por Vitor Dornelles 20:15



abril 23, 2009

 
O DIAS MAIS IMPORTANTE DE ABRIL



É o dia em que ela nasceu. Parabéns, linda! (Acima, um incrível vídeo de bebês preguiça)

besuntado por Vitor Dornelles 14:13



março 22, 2009

 
BATERIA PUTO



Eu me lembro perfeitamente. Estava sentado na banqueta, com os braços apoiados na minha mesa de desenho, o discman com a tampa levantada. Abri o CD, tirei o disco e encaixei-o cuidadosamente no aparelho. Tampa fechada, play, os primeiros acordes de "Airbag". Eu tinha 17 anos, e era como se aquela música sempre tivesse existido. Nunca me esqueci da sensação.

Ok Computer é o que eu costumo chamar de clássico instantâneo. O tipo de disco que você só ouve uma vez e tem certeza absoluta que está diante de algo... maior. O que aconteceu depois é mais ou menos óbvio. Virei fã. Acho que isso teria acontecido mesmo se eu não tivesse escutado nenhuma outra música além de "Airbag". Só que, ainda por cima, na seqüência havia "Paranoid Android", "Karma Police", "Climbing Up The Walls", para ficar nas mais óbvias. Nos meses seguintes comprei Pablo Honey e The Bends, os quais ouvi sem parar por muito e muito tempo. Se houvesse Last.fm naquela época, provavelmente Radiohead seria meu top artist absoluto até hoje.

Na época do lançamento do Kid A eu já estava na faculdade, e me lembro de muita gente abandonando a banda, por não suportar a nova direção musical. Eu fui um dos que permaneceu. Gostava daquilo, do fato de não ser simplesmente um Ok Computer 2. Era totalmente diferente, e isso de alguma maneira parecia indicar que o Radiohead não era mesmo uma banda comum. O lançamento do Amnesiac, pouco tempo depois, só fez reforçar esta impressão.

Depois de dois álbuns lançados num intervalo de tempo tão curto, a espera por Hail To The Thief pareceu muito maior. Quando ele finalmente saiu, foi um acontecimento. Melhor do ano em várias listas de críticos. Músicas excepcionais, como "There There" e "2 + 2 = 5", e uma espécie de volta às guitarras, que tinham sido deixadas de lado com o Kid A. Embora o disco tenha envelhecido um pouco mal (ao menos para os padrões Radiohédicos), foi algo que marcou aquele ano de 2003.

E aí mais 4 anos de silêncio até o brilhante In Rainbows e seu esquema inovador de vendas, em que você pagava quanto quisesse pelo download do álbum. Confesso que dei algumas libras para baixar o disco logo no primeiro dia, e ainda ganhei a versão "física" quando saiu.

Como esses parágrafos deixam claro, Radiohead é uma banda que marcou minha vida. Não é à toa que o show deles estava no topo da minha lista de mais aguardados desde aquele dia em que ouvi pela primeira vez o riff de "Airbag", em 1997. Não preciso dizer como fiquei feliz quando soube que, depois de muitos alarmes falsos ao longo dos anos, os ingleses finalmente tocariam no Brasil. E, ainda por cima, no dia do meu aniversário. Comprei os ingressos pela internet no primeiro dia.

Caminhar pela Marquês de Sapucaí em direção ao palco teve algo de surreal. Eu me perguntava se estava mesmo acontecendo. Os Los Hermanos já estavam tocando, e foi bonito ver os fãs que chegavam atrasados correndo para não perder uma nota sequer. Não sou exatamente fã da banda, mas aprecio bastante o segundo CD, Bloco do Eu Sozinho, no qual se concentrou boa parte do show. Apreciei a experiência de vê-los no palco pela primeira vez. Porque, mesmo sendo carioca e barbudo, nunca tinha assistido a um show deles, ao contrário do que muita gente pensa quando olha pra minha cara.

(Digressiono: acho engraçado esse desdém pelos Los Hermanos. Boa parte dos fãs de Radiohead detestam a banda. Não compreendo muito bem. Não é como se eles fossem o Chiclete com Banana, ou algo do gênero. São bons músicos, fazendo boa música, com boas letras. É o tipo de coisa com a qual eu me relaciono bem. Tento entender por que isso não acontece com a maioria. Deve ser uma vontade irresistível de ser chato, provavelmente provocada por uma adolescência mal-resolvida. Enfim, prossigo).

O quase total desconhecimento do público sobre o que era Kraftwerk me deixou um tanto constrangido. Era de se esperar que fãs de Radiohead tivessem alguma cultura musical. Ingenuidade minha, claro. Vivo me esquecendo que a ignorância é a única coisa realmente democrática que existe. Mas uma coisa boa da ignorância é que ela pode ser sanada. Talvez a curta apresentação dos alemães tenha servido a este propósito para alguns. Para quem já conhecia a banda foi simplesmente uma grande experiência. Só é pena que músicas gigantescas como "Autobahn" tiveram que ser editadas para caber no tempo.

A montagem do palco do Radiohead foi, digamos, intrigante. Primeiro, uma espécie de persiana de tubos, passando por cima do palco desde o fundo até a frente, em várias linhas. Depois, três sujeitos que subiram por uma escada até o alto do palco, no suporte da primeira linha da "persiana", e lá sentaram e ficaram. Até agora não sei exatamente qual era a função deles. Isso me distraía do que estava por vir, e por instantes eu me esqueci da importância do evento, em como era quase sagrado.

Mas aos primeiros acordes de "15 step", música de abertura do In Rainbows tudo veio à tona. Foi catártico, embora eu nunca demonstre. Não gosto de berrar em shows. Minha forma de apreciação é silenciosa. Vidrada. Gosto de olhar pro palco fixamente e simplesmente ouvir. Até me mexo um pouco e bato palmas. Mas nunca fico rouco de tanto gritar. Isso não se aplicava, no entanto, ao sem-mãe dos infernos que estava atrás de mim.

As primeiras músicas do show — para o meu azar, "Airbag" e "Karma Police" estavam entre elas — foram dubladas, em inglês macarrônico e ultra desafinado, pelo maníaco que estava ao pé do meu ouvido. Aquilo me tirou a concentração. Já fui a muitos shows, sei que as pessoas cantam e acho legal, faz parte da experiência. Mas nunca vi uma coisa daquelas. Era alto, muito alto. E narcisista a ponto de repetir "one, two, three, four" junto com o Thom Yorke, e de dublar as guitarras. Quem diabos dubla guitarras?

Nunca estive tão perto de socar alguém. Eu sei que devia ter mudado de lugar, mas meu orgulho me impediu de ir mais pra trás. Era meu aniversário e eu não estava disposto a abrir concessões. Por sorte, ou a voz do imbecil acabou, ou ele não sabia mais as letras, e comecei a aproveitar o show. Porém, lá pro primeiro bis, um careca gigante começou a se balançar na minha frente, num lugar em que o espaço era exíguo e disputado. Minha reação imediata foi começar a cotovelá-lo de todas as formas possíveis, até que a Reca me jogou para o outro lado, para impedir que o desgraçado que era duas vezes o meu tamanho tivesse tempo de se emputecer.

Mas quando fizemos essa alteração, foi no ouvido da Reca que o imbecil que gritava soltou a voz (aparentemente recuperada). Como ela é mais pragmática do que eu, me puxou pelo braço e fomos um pouco mais pra trás. E sou muito grato por isso. A melhor parte do show, pelo menos para mim, acabou sendo o bis, a partir de "Paranoid Android". Finalmente pude entrar em êxtase.



Ao final do show, depois de "Creep", só me restava a culpa por não ter tomado uma atitude logo que começou "Airbag". Apesar de tudo, foi uma experiência mágica, mas não tanto quanto deveria. Por minha culpa. Espero que pelo menos as pragas que eu roguei peguem mais violentamente pelo fato de eu ser aniversariante.

Não foi o melhor show da minha vida. Foi bom, mas não chegou ao Top 3. Talvez esteja aí mais uma desculpa para assisti-los de novo. Até porque faltaram "Optimistic", "Pyramid Song", "Fake Plastic Trees", "High And Dry". Se houver uma próxima vez, tentarei ser menos burro. Ou pelo menos ter a satisfação de arrebentar um idiota. Essa lição eu aprendi. E, de qualquer maneira, um único show é muito pouco para o Radiohead.

besuntado por Vitor Dornelles 19:05



março 20, 2009

 
NO QUAL EU ME CONGRATULO

E os deuses quiseram que meu aniversário de quase-trinta caísse no dia do primeiro show do Radiohead no Brasil. Aceitei de bom grado. Parabéns para mim (e para o Gabes) e feliz início de outono para o resto de vocês. Que venha o show.

besuntado por Vitor Dornelles 11:06



março 14, 2009

 
REFLEXÃO DO MÊS

Se o Twitter não está matando blogs, com certeza está deixando alguns em coma.

besuntado por Vitor Dornelles 11:34



fevereiro 24, 2009

 
RÁDIO REPOLHO #28 (EDIÇÃO INSAMBÁVEL)

Em homenagem ao reinado de Momo, uma nova edição do Cabbage Radio. Desta vez tomei cuidado para que todas as músicas fossem completamente insambáveis. Dou um prêmio pra quem conseguir sambar ao som de qualquer uma delas (mas exijo prova em vídeo). Garanto que você não vai sentir nenhuma vontade de sacar um pandeirinho, nem de dar uma reboladinha. Pelo contrário, as reações mais prováveis são vontade de empunhar uma guitarra imaginária, ficar deprimido na banheira, ver a chuva caindo lá fora, ou ainda quebrar todos os seus móveis — não necessariamente ao mesmo tempo e nessa ordem. Divirtam-se, pois. E não se esqueçam da serpentina.

besuntado por Vitor Dornelles 01:35



fevereiro 22, 2009

 
UMA SOLUÇÃO PARA O CARNAVAL (OU QUASE)

Vamos começar pelo óbvio: eu odeio carnaval. Houve uma época em que o Rio de Janeiro era um bom lugar para pessoas como eu. O único evento carnavalesco era o desfile das escolas de samba, que sempre foi uma coisa eminentemente turística. Havia também os bailes, mas nesse tempo já estavam em decadência e não chegavam a ter muito apelo junto aos cariocas. O resultado era que a cidade ficava vazia. Quando alguém me perguntava onde eu ia passar o carnaval e minha resposta era "no Rio", tinha certeza de receber de volta uma expressão de quem pensava "coitado!" ou "que loser!". Não que isso me incomodasse. Sempre gostei de ser loser. E achava ótimo ter a cidade pra mim. As ruas vazias, ninguém nos cinemas, só um bando de turistas reunidos ali ao lado da Praça Onze para ver um pessoal com penachos na cabeça, andando por uma ruazinha que chamam de avenida, ao som de músicas invariavelmente parecidas.

Até que tiveram a idéia de ressuscitar os blocos.

Lembro de assistir pela TV ao carnaval de Salvador, aquela multidão se espremendo atrás de uns caminhões esquisitos que tocavam música ruim, e pensar em como era bom nada daquilo existir por aqui. Claro, o Rio de Janeiro fora conhecido pelo carnaval de rua em tempos idos. O avô da minha esposa, por exemplo, que acabou de fazer 100 anos, costumava se divertir nestes folguedos quando era jovem — pra vocês terem uma idéia de quão idos eram os tempos. Julgava, portanto, que os blocos estavam relegados às fotos em preto e branco e aos relatos dos saudosistas.

Alguns anos atrás, porém, começou um movimento esquisito. Você ouvia falar aqui e ali de alguém que ia em algum bloco, e se perguntava se aquela pessoa não estava delirando. "Bloco? Mas isso ainda existe?", e dava uma risadinha do coitado, todo animado indo pro bloco que provavelmente só existia na imaginação. Só que, à medida que o tempo passava, mais gente começava a ir aos tais blocos.

Aconteceu numa progressão geométrica. Quando dei por mim, o Rio já estava tomado por blocos — com uma bela ajudinha da antiga prefeitura, que não fez nenhuma questão de controlar sua proliferação. E eis que aconteceu o que eu julgava impossível: voltou a ser cool passar o carnaval no Rio. Graças aos blocos, agora só uma minoria deixa a cidade durante o feriado. Não é à toa que é impossível sair de casa durante o carnaval e não ficar preso num engarrafamento causado por algum bloco. Hoje mesmo fiquei preso num, lá no Jardim Botânico.

O problema é que os blocos estão grandes demais. Já reúnem muito mais gente que os desfiles das escolas de samba. Como vocês podem imaginar, virou uma bagunça só. Além dos engarrafamentos, os blocos estão se tornando um transtorno para os próprios freqüentadores, que sofrem com falta de banheiros, superlotação e falta de segurança. Alguma coisa precisa ser feita.

Foi aí que eu tive uma idéia. Porque, embora eu odeie carnaval, não quero estragar a folia de ninguém (mesmo sabendo que os foliões não dão a mínima pro meu direito de ir e vir). Sou, antes de tudo, um pragmático, que sabe que a extinção dos blocos é bastante improvável. Por isso, voltando a minha idéia, é necessária, o quanto antes, a criação de um blocódromo.

Aliás, vou mais longe: precisamos urgentemente criar blocódromos, no plural, um para cada área. Seria ingênuo pensar que o resolveríamos o problema criando apenas um blocódromo localizado, sei lá, no cais do porto. O grande apelo dos blocos é ser perto de onde as pessoas moram. Muita gente vai aos blocos simplesmente porque eles passam perto, ainda que hoje em dia o negócio tenha tomado proporções tão gigantescas que muita gente faz roteiro para circular por vários blocos (minhar irmã se programou para ir em pelo menos 10 este ano). Por isso, a idéia só tem chance de dar certo se forem vários blocódromos. Um para Leblon e Ipanema, outro para Copacabana, outro para Botafogo e Humaitá, mais um para Centro e Santa Teresa. Enfim, vocês captaram a idéia.

Mas no que consistiriam os blocódromos, afinal? Bem, é essa parte que eu acho legal, porque ainda por cima geraria empregos. Eles seriam como cidades cenográficas, réplicas de quadras de alguns bairros, com prédios, bancas de jornal, latas de lixo e até estabelecimentos comerciais. Os empregos seriam gerados não só botando lojas nos bairros cenográficos, mas principalmente na figuração. Gente interpretando jornaleiro, gari, morador de prédio e até mesmo motorista impaciente. Tudo para recriar ao máximo a experiência do bloco real, sem que o trânsito seja tão prejudicado como é hoje em dia. Com uma estrutura pensada exclusivamente para atender aos blocos, acabariam os problemas com falta de banheiro e, principalmente, segurança.

O único problema é onde construir tais blocódromos. Mas esse problema eu deixo para as autoridades competentes. O fato é que temos que agir logo, porque hoje eu fiquei sabendo que os ranchos também estão voltando. Veja bem, RANCHO! Se não fizermos alguma coisa agora, pode ser tarde demais.

besuntado por Vitor Dornelles 20:02



fevereiro 08, 2009

 
PREENCHENDO ESPAÇO

Ih, só agora eu vi que me passaram uma corrente. Na verdade é bem parecida com esta aqui, que eu publiquei em 2004. Só muda o número da página. E também não tinha que repassar. Mas vamos lá de novo:

1. Pegar um livro próximo (PRÓXIMO, não procure);
2. Abra-o na página 161;
3. Procurar a 5ª frase completa;
4. Postar essa frase em seu blog;
5. Não escolher a melhor frase nem o melhor livro;
6. Repassar para outros 5 blogs.

Eu estava bêbado, portanto lúcido, a balbúrdia ao redor tanto podia ser a China como um planeta desconhecido, meu umbigo se achava a uma distância infinita das minhas mãos, e eu nem sabia ao certo se minhas mãos eram pretas ou eram brancas, nem mesmo se eram as minhas mãos. (A Lua Vem da Ásia, em Obra Reunida, de Campos de Carvalho)

Não repasso correntes, mas se alguém quiser fazer também, sinta-se à vontade.

besuntado por Vitor Dornelles 20:11



fevereiro 02, 2009

 
THE PENNSYLVANIA POLKA



E agora, a notícia do dia: Groundhog bites NYC mayor on its big day.

besuntado por Vitor Dornelles 23:40



janeiro 16, 2009

 
JUKEBOX ESTRANHA

Outro dia sonhei que estava num cinema de shopping, onde havia uma jukebox no subsolo, e alguém tinha botado OPMC para tocar. Eu praticamente me joguei da escada para ter certeza se era OPMC mesmo. E era. Mas eu não entendo como não percebi que era um sonho. Jukebox em cinema de shopping? Tocando OPMC? E ainda por cima uma música do Product Of Pisces And Capricorn, o mais obscuro? Por favor, nem se fosse na Holanda. E lá se foi mais uma oportunidade de ter um sonho lúcido.

besuntado por Vitor Dornelles 16:07



janeiro 15, 2009

 
NOTO UMA TENDÊNCIA

De seguir comediantes ingleses no Twitter. Comecei com o Stephen Fry, que além de tudo é geek e despreendido o suficiente para seguir praticamente todo mundo de volta (e olha que atualmente são uns 40.000 seguidores, e aumentando). Depois descobri que o John Cleese também está lá e, mais importante ainda, o Neil Innes. E tem o Neil Gaiman, que é só inglês mesmo, embora escreva algumas coisas engraçadas também.

E aí? Será que isso convence mais gente a embarcar no fantástico mundo dos 140 caracteres?

besuntado por Vitor Dornelles 22:49



janeiro 04, 2009

 
EM DEFESA DO TREMA (E OUTRAS INUTILIDADES)

Já manifestei no Twitter meu desapreço pela reforma ortográfica, mas volto ao assunto porque acaba de pular no meu colo um exemplo para reforçá-lo. Como praticamente todos os grandes veículos de comunicação brasileiros, O Globo aderiu às novas regras ortográficas no primeiro dia do ano. Se eu não soubesse disso, provavelmente teria demorado mais tempo para decifrar a seguinte notinha do plantão do site do jornal, publicada às 20h15 de hoje:

Mau tempo para Roda Rio 2016, mas programação é mantida mesmo com chuva

Li uma vez. Li duas vezes. Como assim? Tá rolando um mau tempo para a roda-gigante? O que eles querem dizer com isso? Foi só na terceira leitura que a ficha caiu: era para do verbo parar.

Talvez outras pessoas tenham lido esta notinha e não encontrado nenhum problema para entendê-la de imediato. Mas sou obrigado a atribuir isso ao fato de que tais pessoas nunca souberam as regras ortográficas antigas. Porque a terceira pessoa do singular do presente do indicativo do verbo parar é, automaticamente para mim, pára, com acento agudo.

É isso que me revolta nesta reforma ortográfica. Ela não veio para facilitar a compreensão da língua. Qual o objetivo de eliminar acentos diferenciais que não possuem outra função além de, ora bolas, diferenciar palavras que têm o mesmo som mas significados diferentes? A queda do acento diferencial só serve para aumentar a ambigüidade — com trema mesmo, já que este é o meu próximo tópico. Ambigüidade esta que só serve para diminuir a fluência do texto. Se o pára tivese acento, não teria sido necessário ler a mesma frase 3 vezes para compreendê-la. O acento, neste caso, é simplesmente um recurso ortográfico para facilitar a compreensão.

O mesmo se aplica ao trema. Qual a função do trema? Oras, ele serve para indicar quando você deve pronunciuar o "u" nas combinações "que", "qui", "gue" e "gui", onde nem sempre esta vogal é pronunciada. O trema é simplesmente um guia de pronúncia. Algo que visa a facilitar a leitura, simplesmente. Se você nunca ouviu a palavra "lingüiça", sabe que ela deve ser pronunciada diferente de "preguiça", graças ao trema. É nada mais, nada menos, do que um facilitador. Que mal há nisso?

Mas a principal razão para eu ser contra a reforma ortográfica é o fato de que nunca mais vou poder escrever "pinguim" no lugar de "pinguinho". Sempre, sempre, vão achar que estou falando de "pingüim", a ave. Querem matar o Guimarães Rosa que existe dentro de mim (o que talvez não seja tão ruim assim, mas, ora bolas, deixem-me ser ranzinza).

besuntado por Vitor Dornelles 21:59



dezembro 23, 2008

 
RÁDIO REPOLHO #27

Talvez seja porque incluí várias músicas pelas quais estou obcecado ultimamente, mas acho que esta nova edição do podcast ficou acima da média. Começa com The J's With Jamie, grupo vocal que fez extremo sucesso nos EUA, na década de 60, cantando jingles no rádio. Você provavelmente não é humano se não sair por aí cantarolando "Everybody Says Don't" depois. O mesmo vale para a música seguinte, da The Spiders, banda de garagem japonesa responsável por um dos maiores earworms que eu já ouvi. Depois não digam que eu não avisei.

Na seqüência, o soul classudo de Shuggie Otis emenda com Canned Heat e uma música dos disco mais recente do Deerhunter. Sam Cooke, que dispensa apresentações, vem logo a seguir, abrindo caminho para os suecos do Billie The Vision And The Dancers (uma dessas bandas generosas que disponibiliza gratuitamente todos os seus discos na internet) e para um lado-b do Weezer que é melhor do que praticamente tudo que a banda fez depois do Pinkerton. Finalizando, guitarras destruidoras numa música sensacional do Fu Manchu e a bela "No One Does It Like You", do Department Of Eagles. Ouçam!

besuntado por Vitor Dornelles 20:49



novembro 15, 2008

 
MUDERNO

Agora, além de Twitter, também tenho Blip.fm, embora saiba que não vai durar muito, por causa das gravadoras e patati-patatá. É um bom lugar para postar músicas que ficaram de fora do Cabbage Radio, ou, principalmente, pra botar aquelas bandas que eu não faço a menor idéia de como se pronuncia o nome. Visitem-me.

besuntado por Vitor Dornelles 23:54



novembro 10, 2008

 
OBVIAMENTE

Repolhópolis, há 5 anos o lugar certo para encontrar cola para vaso sanitário a prova d'água. Disponham.

besuntado por Vitor Dornelles 19:36



Google
 
Web repolhopolis.blogspot.com

Oba Fofia
A Vida Tem Dessas Coisas
Alexandre Soares Silva
Anamorfoses
Bard do Moe
Barriga Verde
Big Muff
Bla-Bla-Blog
Bumerangue!
Coisinha Supimpa
Copy-Paste
De Volta A Zenn-La
Dois Vezes Um
Esferográfica
Escrevescreve
Eufonia
Failbetter
Filthy McNasty
Gi em SP
H Gasolim Ultramarino
Letras Mortas
Londrisleblogui
Longo Caminho
Los Olvidados
Marcão Fodão
Mau Humor
Nobre Farsa
Noites Na Cidade
Non Sequitur
Os Conspiradores
Palmeirense Falador
Pensar Enlouquece
Perséfone
Pulso Único
puragoiaba
Radar Pop
Rapadura Açucarada
Ricardo Westin
Tédio Profundo
Terceira Base
These Are The Contents...
TV e Cerveja
Veríssimos
24/7
Zeus Era Um Galanteador


Bitter Films
KCRW
Miniclip
xkcd
Orisinal
Pitchfork
the ispot






This page is powered by Blogger. Isn't yours?


View My Stats

Creative Commons License
Blog licensed under a
Creative Commons
License




  • Julho 2003
  • Agosto 2003
  • Setembro 2003
  • Outubro 2003
  • Novembro 2003
  • Dezembro 2003
  • Janeiro 2004
  • Fevereiro 2004
  • Março 2004
  • Abril 2004
  • Maio 2004
  • Junho 2004
  • Julho 2004
  • Agosto 2004
  • Setembro 2004
  • Outubro 2004
  • Novembro 2004
  • Dezembro 2004
  • Janeiro 2005
  • Fevereiro 2005
  • Março 2005
  • Abril 2005
  • Maio 2005
  • Junho 2005
  • Julho 2005
  • Agosto 2005
  • Setembro 2005
  • Outubro 2005
  • Novembro 2005
  • Dezembro 2005
  • Janeiro 2006
  • Fevereiro 2006
  • Março 2006
  • Abril 2006
  • Maio 2006
  • Junho 2006
  • Julho 2006
  • Agosto 2006
  • Setembro 2006
  • Outubro 2006
  • Novembro 2006
  • Dezembro 2006
  • Janeiro 2007
  • Fevereiro 2007
  • Março 2007
  • Abril 2007
  • Maio 2007
  • Junho 2007
  • Julho 2007
  • Agosto 2007
  • Setembro 2007
  • Outubro 2007
  • Novembro 2007
  • Dezembro 2007
  • Janeiro 2008
  • Fevereiro 2008
  • Março 2008
  • Abril 2008
  • Maio 2008
  • Junho 2008
  • Julho 2008
  • Agosto 2008
  • Setembro 2008
  • Outubro 2008
  • Novembro 2008
  • Dezembro 2008
  • Janeiro 2009
  • Fevereiro 2009
  • Março 2009
  • Abril 2009
  • Maio 2009
  • Junho 2009
  • Julho 2009
  • Agosto 2009
  • Setembro 2009
  • Outubro 2009
  • Novembro 2009
  • Dezembro 2009
  • Janeiro 2010
  • Fevereiro 2010
  • Março 2010
  • Abril 2010
  • Maio 2010
  • Julho 2010